140

O que realmente acontecia nos bastidores de ‘Pimp my Ride’

Pimp_My_Ride_logo

‘Pimp my Ride’ estreou num canal televisivo de música com um objectivo tão simples quanto pegar num miúdo com um carro, diga-se a cair aos bocados, e ter o rapper Xzibit a orquestrar uma transformação enorme e ridícula.

Mas, embora o programa fosse realizado dentro de uma estrutura de tal forma mínima, as coisas eram um pouco mais complicadas nos bastidores. De carros que acabariam por avariar em questão de poucas semanas a um concorrente a uma situação em que um funcionário da MTV tenta, aparentemente, convencer outro concorrente (proprietário de um carro) a terminar o namoro com a sua namorada, não havia muito mais para a criação deste espectáculo de Xzibit que apenas dizia: ‘Yo dawg’.

                                              o-MYSPACE-570 (1)

O jornal online Huffigton Post falou com três concorrentes que receberam carros modificados pelo ‘Pimp my Ride’. Jake Glazier, da quarta temporada do programa, Seth Martino e Justin Dearinger, ambos da sexta temporada.
E para uma perspectiva do outro lado da câmara, o co-produtor executivo Larry Hochberg, respondeu a algumas das reivindicações feitas pelos concorrentes. Embora muitas pessoas tenham falado do ‘Pimp my Ride’ ultimamente o programa tinha, na sua maioria, experiências positivas, na realidade ter um carro ‘pimped’ acabava por ser mais estranho do que o que era esperado.

“Eu estava muito entusiasmado e ingénuo, de maneira que eles podiam dizer-me que eu teria unicórnios a fazer-me o pequeno-almoço que eu nem punha nada em causa…”,

Por vezes, os complementos que eram feitos nos carros eram apenas para o programa pois assim que as câmaras desligavam era tudo retirado dos carros.

o-MYSPACE-570 (2)

“Eu estava muito entusiasmado e ingénuo, de maneira que eles podiam dizer-me que eu teria unicórnios a fazer-me o pequeno-almoço que eu nem punha nada em causa.” afirma Seth Martino. Os espectadores assíduos deste programa acabariam por ter a mesma experiência…

Justin Dearinger afirmou que ‘eles realmente tiram grande parte do material que mostram na TV’, como no seu caso, uma invenção que servia champanhe e um “drive-in cinema”. Numa outra explicação para o HuffPost, Dearinger disse que eles removeram a parte do champanhe porque o programa não quer compactuar com o ‘beber e conduzir’ e a parte do cinema foi removida por não ser segura.

Segundo Larry Hochberg, o que se retirou dos carros foi feito com um propósito específico: “Por vezes nós fizemos as coisas por razões de segurança mas os concorrentes apenas interpretam como ‘tiraram aquilo do carro’”, afirmou. Hochberg deu um exemplo de umas jantes “spinner” de 24 polegadas num Cutlass de 1977 ficaria maravilhoso na televisão mas ‘fora da abundância de cautela’ acabariam por ser trocados, indo assim das cobiçadas “spinners” para a tipica “linda jante de 20 polegadas” para uso diário.

Dito isto, parece que as coisas foram, ocasionalmente, colocadas nos automóveis, sem intenção de alguma vez funcionarem na vida real.
Por exemplo, um braço robótico instalado no carro de Seth Martino era, como ele dizia, na verdade, apenas “controlado por comandos que foram inseridos num portátil ” Na realidade, “era apenas um braço robótico com um monte de fios pendurados fora dele.”

 

E muitas vezes, os complementos – como as televisões dos bancos traseiros – simplesmente nunca iriam funcionar.

Eb0VO (1)

O carro de Seth Martino parecia ser particularmente de baixa qualidade. “Houve muitas coisas de errado com isso”, disse ao HuffPost, incluindo os ecrãs de televisão que nunca trabalharam novamente após as filmagens. Como Martino recordou, algumas coisas não funcionaram no carro incluído as luzes LED que foram colocados nos assentos. “As luzes ficariam muito quentes, o que impedia que eu pudesse conduzir com elas”, disse Martino.

Aparentemente, Mad Mike iria tentar e ajudar quando os carros tivessem problemas. A MTV também teve um motorista e um camião de reboque sempre de prevenção, de acordo com Larry Hochberg. “As pessoas que tiveram carros que apareceram no programa ficaram de me ligar e eu deixaria a minha secretária, e ia a correr ajudá-los com o camião” disse ele. Hochberg disse também que, por vezes, os carros também têm problemas. Para os problemas mais graves, a MTV tentou solucionar os problemas. “Tenho a certeza que as coisas que precisavam de ser arranjadas nos carros foram feitas “, disse Hochberg. Mas aproveitando para falar de problemas mais sérios…

 

Embora os carros fossem realmente vistosos, o seu interior não teve assim tanta atenção e cuidados

o-PIMPMYRIDE-570

Desde o início, que Larry Hochberg diz que “não é correto dizer que nós não trabalhamos na mecânica dos carros”, e que os concorrentes no programa tiveram uma percepção errada do que aconteceu com os seus veículos. Hochberg explicou que “alguns dos carros eram tão velhos e enferrujados que eles teriam problemas mecânicos, não importa o quanto se trabalhasse neles. A equipa de produção e as garagens de carros trabalharam para conseguir obter peças para estes carros “. Como exemplo, a MTV até mandou alguém para um ferro-velho no deserto do Arizona para conseguir um capô de substituição para um carro. Mas o programa não foi sobre como salvar carros da ruína mas sim de os modificar.

Jake Glazier, que sentia que “havia um monte de problemas” com a mecânica do carro, vendeu o seu veículo cerca de um mês depois. Foi então dito pelo novo proprietário do carro que o mesmo já tinha queimado. Glazier disse que o que ele sentiu foi que era um trabalho de má qualidade: “o carro precisava de um silenciador, e assim um tubo de escape falso foi instalado para fazer parecer e soar como tal, mesmo que fosse apenas falta de um silenciador “.

“Não há muita coisa sob o capô no que diz respeito à mecânica do veículo”, segundo Seth Martino. “Na maior parte dos casos, o carro precisava de uma grande quantidade de trabalho feito para ficar com um funcionamento regular, o que não fizeram”. Martino disse que ele teve um tempo difícil, mesmo conduzindo o carro em casa. “Eles acrescentaram um monte de peso extra, mas não ajustaram a suspensão para compensar, então eu sentia-me como se estivesse num barco”. Segundo Martino, o carro estava trabalhado para durar cerca de um mês. Então Martino teve de salvar o motor do seu carro investindo com o seu próprio dinheiro.

Isso aconteceu muitos anos depois do programa – e após um amplo trabalho externo – mas um carro explodiu!

 

Cinco anos após o programa, com um extenso e caro trabalho fora feito pelo próprio Dearinger, o seu carro modificado explodiu em chamas. Dearinger estava a conduzir para casa com a namorada quando o fumo começou a inundar o carro. De seguida, os dois saltaram para fora do carro e dentro de poucos momentos o veículo foi destruído.

Embora provavelmente esperados, aqueles momentos de emoção foram encenados

fzT1EuZ

No início do programa, Xzibit aparecia a tocar à campainha da casa de um concorrente e a tentar surpreendê-lo. Mas estas casas eram muitas vezes casas alugadas pela MTV e não as verdadeiras casas dos concorrentes do “Pimp my Ride”. Os participantes foram orientados a esperar na sua suposta casa e que à porta poderia aparecer ou não ‘ya boy Xzibit’. Então, a surpresa de ver Xzibit na porta era real ainda que de uma forma mais estranha do que o esperado.

Menos real era a reacção dos participantes ao verem o seu carro modificado pela primeira vez ao sair para fora do esconderijo. Todos os participantes tiveram de gravar inúmeros ‘takes’ de reacção ao verem o carro. Justin Dearinger disse “acho que não mostrei entusiasmo suficiente” poiso director pediu-lhe, especificamente, “para ser mais energético, pular e até gritar”.

Jake Glazier teve uma experiência diferente, lembrando que tentaram convencê-lo a dizer “ain merda” e parecer a sua reacção natural. A sua primeira verdadeira reacção ao ver o carro foi apenas um espanto tranquilo, onde o director disse: “Isso é bom”. Logo a seguir, ele gritou ‘Vamos fazer outra vez!”. E aí as coisas ficaram um pouco mais estranhas.

“Eu lembro-me bem, o Big Dane, ele pôs o braço à volta dos meus ombros e fomos caminhar os dois dentro da garagem por dez minutos e ele disse-me ‘Olha, nós tivemos imenso trabalho com o carro e esperamos que mostres mais entusiasmo que isso!’”, recorda Glazier. A partir daí, Glazier tentou ser mais energético e a sua reacção faz lembrar um meme.

O programa fazia parecer que os carros estavam na garagem por alguns dias, mas na verdade estavam cerca de meio ano – causando problemas diários

o-PIMP-570 (1)

Ao ver o programa, todos nós pensávamos que os carros estavam na garagem cerca de uns dias ou mesmo uma ou duas semanas e depois eram devolvidos aos seus proprietários. Mas não era o caso. Pelo menos os participantes que falaram ao HuffPost, os seus carros estiveram na garagem cerca de seis a sete meses o que causou, obviamente, alguns problemas. Seth Marino teve um momento particularmente frustrante onde por uns tempos ele teve de pagar o aluguer da garagem onde a MTV manteve o seu carro. Segundo Martino, no início a MTV pagou alguns meses e depois ele pagou do seu próprio bolso. Só voltou a ver o seu dinheiro quase dois anos depois de o programa ter passado na MTV.

Pelo menos nestes casos, as histórias e os interesses dos concorrentes foram ‘compostos’

o-PIMPMYRIDE-570 (1)

Para Jake Glazier, a MTV acabou com o que ele lhes disse mas com exageros. Glazier tinha dito que a sua avó fumava no carro, de vez em quando. Para o programa, a MTV colocou ‘algumas pontas extras dos cigarros para fazer parecer a minha avó como uma pessoa repugnante aos olhos das pessoas’.

 

A MTV, aparentemente, não quis ouvir Justin Dearinger quando lhe perguntaram quais as suas cores favoritas. Ele afirmou que ‘odiava vermelho’ e, logo depois, viu que o interior do seu carro estava praticamente todo dessa cor. A MTV despejou sacos de doces no carro de um dos participantes na fase de pré-modificação e disseram-lhe para agir como se ele tivesse sempre aqueles doces no carro para o caso de ter fome. Ele sentiu-se que estavam a aproveitar-se para se divertirem com o seu tamanho

 

HUcR4uy

Seth Martino afirmou “Eu sei que sou gordo, mas acho que ultrapassaram os limites ao fazerem-me passar por extra gordo ao ponto de ter imensos doces no carro para o caso de ter fome. Então eles decidiram colocar uma máquina de algodão doce na bagageira do carro”. Martino declarou ainda “Eu estava lá e vi-os a despejarem dois sacos de doces gigantes no meu carro. Eu não tenho doces no meu carro, foi uma história criada por eles”.

Uma sugestão para outro participante: despejar a namorada para a meia hora de programa

IsoZ3

Jake Glazier lembrou que um dos produtores o incentivava a terminar com a namorada pois seria bom para o programa.O produtor afirmou que ou ele se ‘livrava’ dela ou ela nunca faria parte do programa.

Larry Hochberg afirma que não tinha conhecimento de nenhum caso e questiona ainda como isso seria bom para o programa ver um simples rapaz terminar com a namorada? Que interesse isso teria?

 

Apesar de tudo, os concorrentes ainda gostaram do programa e de como ficaram os seus carros, apesar de chamarem muito mais a atenção da polícia

o-PIMP-570

“Senti-me como uma celebridade quando as pessoas reconheciam o meu carro”, afirmou Seth Martino, que gostava de conduzir o seu carro uma vez que teve de investir o seu dinheiro para a reparação do motor. Ele gostou especialmente do sistema de som.

Jake Glazier só teve o carro cerca de um mês pois vendeu-o logo a seguir. Arrepende-se de o ter vendido também devido ao sistema de som. Era a única coisa que queria de volta. Adorava levar os seus irmãos à escola e eles gostavam de chegar no carro de Glazier.

Após o programa, Justin Dearinger juntou-se a um clube de carros onde ainda investiu do seu dinheiro para continuar a modificar o carro (provavelmente provocando o incêndio já referido). O seu carro chamava muito mais a atenção da polícia mais como afirmava ter sido modificado pelo programa “Pimp my Ride” tudo ficava na mesma e ninguém implicava com eles devido a tantas modificações.

Eles participariam novamente no programa e sem muitas reclamações

o-MYSPACE-570

“Honestamente, eu perdi o programa durante vários anos”, afirmou Glazier ao mesmo tempo em que diz que não tem queixas reais.

Dearinger, também se divertiu no programa e diz que ficaria feliz em participar novamente. “Antes disso, eu era apenas um rapaz – era tímido, muito tímido”, disse ele. “E,depois, é triste afirmar isto, mas participar no programa deu-me mais confiança. Ajudou-me a ser a pessoa que sou hoje. Sou uma pessoa muito extrovertida”. Dearinger afirmou ainda que modificar o carro atraiu mais a atenção do sexo oposto: “Um monte de raparigas deu-me mais atenção!”. Dos três, foi Martino quem tinha os sentimentos mais contraditórios sobre a experiência. “Toda a situação não foi definitivamente aquilo que eu estava à espera, e houve momentos em que eu queria desistir pois tudo era frustrante, mas agora olho para trás e rio”, disse Martino. “Eu tenho esta história engraçada que posso contar às pessoas e não são assim tantas as pessoas que viveram esta experiência. Isso faz tudo valer a pena.”

Quanto a Hochberg, ele “adorava trabalhar no programa.” Hochberg explicou ainda as suas memórias, dizendo: “Havia muitos rapazes novos no programa, e foi muito divertido para dar os carros para todos eles.” Hochberg disse que um dos seus favoritos foi a transformação de uma carrinha de gelados, uma criação que acabou sendo recriada na série ‘Os Simpsons’.

BONUS: Mas o que estava saindo com Xzibit realmente gosta?

xtothez

“Xzibit é o maior”, disse Hochberg que interagiu de forma mais estreita com o rapper do que os concorrentes. “Ele é um rapper talentoso, e ele é um hospedeiro natural. Ele é engraçado e sempre pensando nos seus pés. Eu, realmente, gostei de trabalhar com ele.”

Os participantes não chegaram a conversar com Xzibit muito tempo, mas cada um deles sentia que ele era tranquilo, descontraído e era divertido estar ao seu redor. Martino disse que Xzibit dizia coisas como “hora de fumar” e que ele “nunca teve a sensação de que ele estava a falar de cigarros”, embora ele não poderia confirmar o contrário.

 

Leave a reply